O Tempo que não se conta, de Nilton Dondé

 

Devanear, manipular e velar.

 

Apropriar-se de algo que é outro tem sempre a sutileza de deslizar entre velar ou trazer à tona. Escrever outra vez narrativas, inventar alguns relatos ou sublinhar passados esquecidos?

 

Esses objetos instalativos colocados lado a lado nos empurram para uma zona de imaginar. Rastros que ecoam e tecem uma trama com diferentes texturas e arranjos.

 

Dar voz? Silenciar? Esconder? Desvelar?

 

Mais do que ver, escutar. Escutar as vozes pertencentes a essas imagens que nos falam. Revolucionar a imaginação a partir do que Gaston Bachelard (1988) indica: em direção àquilo que é material e dinâmico. Ser sujeito ativo e interventor das matérias, manipular, provocar. Descascar os revestimentos já vencidos e cristalizados. Ser um pouco artista, mas também um pouco alquimista: transmutar para criar e descobrir.

 

Descobrir no sentido da descoberta ou no sentido de retirar aquilo que cobre e vela?

Encontrar com aquilo que é, de certa forma, suspeito e marcado. Aqui estão apenas perguntas: podemos devolver valor às coisas? E, para que isso seja feito, "será preciso escutá-las de perto ou de longe?" (BACHELARD, 1989).

Marina Rombaldi

Artista e pesquisadora